Homeopatia

“Os mais inestimáveis tesouros são; a consciência irrepreensível e a boa saúde. O amor a Deus e o estudo de si mesmo oferecem uma; a homeopatia oferece a outra.”
Samuel Hahnemann

O que é homeopatia?

A

homeopatia é uma forma natural de medicina usada por mais de 200 milhões de pessoas em todo o mundo para tratar condições agudas e crônicas. Baseia-se no princípio da similitude “similia similibus curantur”, no qual semelhantes são curados pelos semelhantes. Em outras palavras, uma substância tomada em pequenas quantidades curará os mesmos sintomas que ela causa se tomada em grandes quantidades.

A natureza holística da homeopatia significa que cada pessoa é tratada como um indivíduo único e seu corpo, mente, espírito e emoções são todos considerados no tratamento e prevenção da doença. Levando em conta todos esses fatores, um médico homeopata selecionará o medicamento mais adequado com base nos sintomas específicos do indivíduo e no nível pessoal de saúde para estimular sua própria capacidade de cura.

Medicamentos homeopáticos são seguros, pois, raramente causam efeitos colaterais. Isto significa que, quando usados apropriadamente, sob a orientação de um homeopata qualificado, podem ser tomados por pessoas de todas as idades, incluindo bebês, crianças e mulheres grávidas ou amamentando.

Os médicos homeopatas trabalham da mesma maneira que qualquer outro médico convencional. A anamnese, o exame e a investigação são importantes para estabelecer o diagnóstico. No entanto, além de perguntar sobre seus sintomas, um médico homeopata estará interessado em você como indivíduo e na maneira única como seus sintomas afetam você.

Durante uma consulta homeopática, perguntas sobre seu estilo de vida, hábitos alimentares e preferências, temperamento, personalidade, padrões de sono e histórico médico ajudam o médico a formar uma imagem completa de você. Esta imagem será combinada com os sintomas da sua doença, a fim de prescrever um medicamento homeopático específico em uma potência adequada. Para tirar o máximo proveito de uma consulta, é útil fazer algumas anotações de antemão e pensar em todos os problemas que afetam sua saúde.

No final da consulta, o seu médico homeopata lhe dará uma receita e lhe dirá quantas vezes tomar o remédio. A homeopatia é geralmente tomada em glóbulos ou tabletes, mas também está disponível em forma líquida e em pó. Pode ainda ser prescrito um gel ou creme homeopático para uso tópico.

Segura e eficaz. A homeopatia é perfeitamente segura. Isso ocorre porque os medicamentos homeopáticos são feitos a partir de uma quantidade muito pequena do ingrediente ativo. Duzentos anos de prática, pesquisa e testes comprovaram a segurança desse sistema suave de medicina para pessoas e animais.

A homeopatia não pode substituir todas as outras formas de assistência médica, mas pode ser usada como a primeira opção de tratamento em uma ampla gama de condições. Também pode ser usada de forma complementar em outras situações, por exemplo, para suportar uma boa recuperação após as cirurgias.

A homeopatia não interfere na medicina convencional e deve ser vista como um tratamento complementar e não como uma alternativa. Apesar das diferenças de abordagem, os tratamentos homeopáticos e convencionais podem funcionar muito bem entre si. Consultar um médico com formação em homeopatia permite que você receba o melhor dos dois mundos, com os tratamentos mais eficazes sendo feitos sob medida para você.

Os médicos homeopatas costumam ver pacientes com problemas crônicos de longo prazo, muitos dos quais não responderam à medicina convencional, como artrite, asma, enxaqueca, síndrome da fadiga crônica, depressão, eczema e síndrome do intestino irritável.

No entanto, como um sistema de medicina, a homeopatia é projetada para tratar a pessoa como um todo e pode, portanto, ser considerada em quase todas as situações em que a saúde de uma pessoa se esgota. Também pode ser muito útil no tratamento de doenças menores, de cortes e contusões a tosses e resfriados. Um médico com formação em homeopatia saberá quando é mais eficaz usar medicina homeopática, medicina convencional ou uma combinação de ambos.

Outras condições médicas comumente vistas incluem: alergia, ansiedade, asma, catarro, síndrome da fadiga crônica, rinite crônica, tosse, doença de Crohn, depressão, eczema, fibromialgia, febre do feno, dor de cabeça, sintomas da menopausa, enxaqueca, esclerose múltipla, osteoartrite, síndrome pré-menstrual, artrite reumatoide, infecção do trato respiratório superior, vitiligo.

Condições dentárias comumente vistas: Ansiedade, abscesso apical, edema gengival, abscesso periodontal, dor pós-operatória, pulpite reversível, extração dentária, dor de dente com cárie dentária.

Uma das coisas interessantes sobre a homeopatia é que ela pode ter ótimos resultados em animais. Os céticos costumam usar o argumento de que o tratamento homeopático funciona porque está tudo na mente do paciente. Seria difícil aplicar este argumento ao seu gato de estimação ou cachorro!

Condições frequentemente vistas: um estudo piloto publicado pelo British Homeopathic Association em 2007 descobriu que as condições mais comumente vistas por veterinários homeopáticos são: artrite, dermatite atópica, claudicação, epilepsia, diarreia, agressividade, medo, prurido, hipertireoidismo e insuficiência renal. Um total de 767 animais de estimação participaram do estudo.

Os pacientes eram predominantemente gatos e cães, mas cavalos e alguns outros animais menores também estavam presentes no estudo. Segundo os proprietários, a saúde de 80% dos animais que participaram do estudo melhorou.

Há um corpo crescente de pesquisas publicadas em revistas de boa qualidade revisadas por pares, mostrando que a homeopatia tem um efeito positivo. A pesquisa homeopática ainda está em sua infância. O corpo de evidências que existe mostra que muito mais investigação é necessária – 44% de todos os ensaios clínicos randomizados realizados foram positivos, 5% negativos e 47% inconclusivos.

Infelizmente, a homeopatia não atrai grandes quantias de financiamento. Mais financiamento é necessário para conduzir estudos de alta qualidade usando métodos de pesquisa adequados. Atualmente, por exemplo, apenas 63 dos 188 artigos de triagens controladas randomizadas, estudaram a homeopatia clássica e individualizada; cada um dos outros 125 ensaios clínicos controlados randomizados investigou o efeito de um medicamento homeopático selecionado.

História da Homeopatia

A homeopatia baseia-se no princípio da similitude “similia similibus curantur”, no qual semelhantes são curados pelos semelhantes – em outras palavras, uma substância tomada em pequenas quantidades curará os mesmos sintomas que ela causa se tomada em grandes quantidades.

Essa ideia remonta a Hipócrates (460-377 aC), que também achava que os sintomas específicos de um indivíduo deviam ser levados em consideração antes de se fazer um diagnóstico. Este é também um princípio importante da homeopatia, em que os sintomas únicos de um indivíduo são importantes para distinguir o medicamento correto.

Samuel Hahnemann

O princípio da similitude não ressurgiu na história da medicina, até que um médico alemão, Samuel Hahnemann (1755-1843) veio a conceber o sistema de medicina que conhecemos como homeopatia.

Hahnemann estudou medicina e química. Trabalhando como médico no final do século XVIII, ele estava insatisfeito com as práticas médicas convencionais de sua época. Sangrias e uso de grandes doses de materiais tóxicos, como arsênico e chumbo eram comuns. Hahnemann discordou desses métodos severos. Ele estava investigando os efeitos de várias substâncias medicinais em si mesmo e em outros voluntários saudáveis, quando deduziu que uma doença poderia ser tratada com uma quantidade muito pequena de uma substância que, em maior quantidade, poderia causar essa doença.

Para evitar efeitos nocivos das doses normais das substâncias, ele diluiu cada medicamento até alcançar a maior diluição que ainda produziria uma resposta. Esses experimentos foram chamados de provas e levaram-no a observar e descrever os princípios básicos da medicina homeopática.

Hahnemann sistematizou os princípios filosóficos e doutrinários da Homeopatia em suas obras Organon da Arte de Curar e Doenças Crônicas; e, a partir daí, esta técnica curativa experimentou uma grande expansão por várias regiões do mundo, estando hoje firmemente implantada em diversos países da Europa, América e Ásia.

No Brasil

A Homeopatia no Brasil foi introduzida por um discípulo francês de Hahnemann, Benoit-Jules Mure, em 1840 e mantém a sua força e seu crescimento até o final da década de vinte, quando começa lentamente o seu declínio, talvez devido ao advento da terapêutica química na Medicina, pois, o aparecimento de armas terapêuticas como as sulfas no início e os antibióticos depois, encontra os homeopatas despreparados filosoficamente para o exercício da Homeopatia.

Este estado de coisas tem tal evolução que nos anos sessenta praticamente já não existe a Homeopatia no Brasil. Em 1966, durante o Governo Castelo Branco, foram publicadas várias portarias, com instruções de instalação e funcionamento de farmácias homeopáticas e industrialização de seus medicamentos.

Na década de 70 foram, com a vinda do Prof. Francisco Xavier Eizayaga, da Argentina, que foi criado o Curso de Especialização em Homeopatia para médicos. Essa foi a origem de boa parte dos principais cursos de todo o Brasil. Foi nesta década também que o governo oficializou a Farmacopeia Homeopática Brasileira (decretada em 1972).

Em 4 de julho de 1980, pela resolução CFM n° 1000, a Homeopatia foi reconhecida como especialidade médica pelo Conselho Federal de Medicina. No mesmo ano foi fundada a Associação Médica Homeopática Brasileira (AMHB). A partir deste momento a homeopatia ganhou força e maior apoio da classe médica. Aos poucos foram sendo criados cursos regulares para a formação de profissionais nas áreas de Farmácia, Odontologia e Medicina Veterinária.

Em 2006 o Ministério da saúde aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde. Considerando que a Homeopatia é um sistema médico complexo de abordagem integral e dinâmica do processo saúde-doença, com ações no campo da prevenção de agravos, promoção e recuperação da saúde, institui a homeopatia no SUS como uma importante estratégia para a construção de um modelo de atenção centrado na saúde.